34 Comentários
author

J.P. Coutinho tem o raciocínio leve bem leve... acho que é porque nem esbofeteia as moscas do presente, nem levanta bandeirinhas de um modo de viver q não retornará. Por isso o livro dele continua atual, para quem ainda não entendeu essa forma de conservadorismo que ele explica. Muito bom ouvi-lo aqui no NEIM...

Expand full comment
Mai 23Curtido por Martim Vasques da Cunha, Lais Boveto

Martim, meu anjo cutucador, que bárbaro! Consegui ouvir tudo, acompanhei a transcrição pra ter certeza do que ouvia. Sua dicção está maravilhosa! Eu te ouço! 🙌

E que bela entrevista! Adoro o tema da individualidade, não do individualismo! Apesar de vivermos em sociedade, minha gana pela individualidade do ser humano é incessante!

J.P. Coutinho é um sábio! E você também!

Adorei a "dica cultural"! Vou procurar assistir.

Sobre as previsões, concordo com elas, infelizmente!

Sobre o populismo, é realmente como a febre, não é "a doença", é um sintoma! E sem a prevenção e o acompanhamento, a doença pega

pesado! Bozo e molusco são sintomas não acompanhados, portanto a doença existe!

E sigamos..... pessimismo ou otimismo demais é outro sintoma, outra febre....melhor é acompanhar bem de perto! E manter medicação preventiva em dia!

Salve Martim! 🙌

Expand full comment
Mai 23Curtido por Lais Boveto

adoro essa "reunião de pauta" do NEIM

Expand full comment
Mai 23Curtido por Lais Boveto

São sensacionais Viquitor!

Nunca havia ouvido falar nesse " patrício" escritor.

Adorei as respostas, bem de português!

Expand full comment
author

Olá Carlos, além da Folha, ele tem um podcast e uma coluna no sabado.pt... Talvez te interesse também 👍... https://www.sabado.pt/podcasts/cuidados-intensivos/detalhe/cuidados-intensivos-testes-de-algodao?ref=Cuidados%20Intensivos_OutrosEpisodios

Expand full comment
Mai 23Curtido por Lais Boveto

É claro que me interesso Laís.

Muito obrigado, grato mesmo!

Expand full comment
Mai 24Curtido por Lais Boveto

Obrigada pela dica do podcast. Gosto muito das colunas do JP Coutinho na Folha. Aliás, só assino o UOL por causa dele e do Pondé.

Expand full comment
author

Gosto muito dos dois tb, Miriam :) Abs.

Expand full comment
Mai 23Curtido por Lais Boveto

Excelente, JPC e MVC. Muito obrigado. 👏👏👏👏

Expand full comment

Excelente entrevista! Acompanho desde sempre essa sábia alma lusitana chamada João Pereira Coutinho, através dos livros publicados, colunas e podcast. É o meu pessimista favorito.

Expand full comment

"Eu só prevejo o pior - como sempre. E como sempre, sempre tenho razão." JPC

A verdade verdadeira dessa afirmação tem uma exceção, que se aplica ao NEIM. Aqui no NEIM só prevejo o melhor, e essa entrevista prova isso.

Expand full comment

João Pereira Coutinho é autor de um livro que retrata bem (no caso, pelo título) o espírito português: “Vamos ao que interessa” 😀😀

Expand full comment

Muito mais que laconico little couto

Expand full comment

Leituras e comentários indispensáveis, Martim e JPC sempre tem excelentes. Parabéns pelo trabalho! Só falta um "Manhattan Connection" do Nãoéimprensa para ficar perfeito esse site.

Expand full comment

Muito bom

Expand full comment

Muito bom !!!

Expand full comment

Parabéns ao Neim e ao Martin Vasques pela brilhante escolha em entrevistar este que é um dos maiores intelectuais da atualidade.

Expand full comment

Que coisa boa de escutar. JPC é o cara que não "enseba".

Expand full comment

Aula.

Totalmente cartilha “Caminho Suave” para a “massa analfabeta”, como a outra falou, carente de um “pai guia" e que vive de quatro para os “ihspertos” da elite - e que, como João Pereira Coutinho sublinhou, os malandros ainda pisam nesses ignorantes.

Coutinho destacou como Michael Oakeshott afirma que “a única forma de ser livre numa sociedade política organizada é não a transformar numa ‘enterprise association’”, ou seja, numa sociedade que “procura um determinado fim”. Afinal, segundo ele, a função do estado é ser tão somente “guardião das regras gerais subscritas pela associação civil sem impor fins substantivos aos membros dessa sociedade”.

E comentou como Christopher Lasch, por outro lado, acertou ao ter apontado uma tendência recorrente na história que é a elite destruir a democracia.

Questão então para a “massa analfabeta”: Deltan e “coleguinhas” são por acaso bugres iletrados como essa “massa” é e como a dona Josefa e seu “José da barbearia” seriam? Pois é.

Coutinho sublinhou ainda como Larry Bartels, por sua vez, afirmou que a traição das elites, abordada por Lasch, se manifestaria, em resumo, sob três aspectos: histeria midiática, alheamento das elites à patuleia e imposição aos bugres de um determinado fim por parte das elites

Como até a “massa analfabeta”, ainda que intelectualmente limitada, consegue lembrar, o “pai guia” da bugrada, o indiscutível membro da “elite” conhecido como Deltan e “coleguinhas”, era o rei da promoção da “histeria midiática” que mirava o populacho. Assim, com Power Points exibicionistas, outdoors ostentação em beira de estrada com foto da “tropa de ELITE” e convocações inflamadas nas redes sociais, os valentes tentavam que seus súditos formassem correntes de pressão de modo a que, acuadas, as instituições se dobrassem aos “garototes” que, querendo “IMPOR UM DETERMINADO FIM”, atropelavam as leis com a justificativa picareta de que estariam “limpando o país”. Deste modo, convocavam a “massa”, afiavam a lâmina da “guilhotina” pronta para cortar a cabeça daqueles que, segundo tal “ELITE”, usariam a “cor da gravata” indevida e a bugrada babava em êxtase. Teve assinante, costumeiramente assanhada e sempre estúpida, que disse que durante esse período de caça às bruxas chegara a sonhar com um Brasil livre de impurezas.

Alemanha nazista, é você? Pois é. Mas sigamos...

Como admitido neste NEIM até pela “massa analfabeta”, a bugrada “gastou sola de sapato na Paulista”, ajoelhou-se diante do “painho” Deltan e orou que as “guilhotinas” cortassem a cabeça daqueles que usariam a “cor da gravata” errada, pouco importando se haveria prova ou não contra os acusados e se a lei teria sido ou não observada pelos membros da “elite” do Ministério Público, que perfilava os engravatados em “fila indiana” e pedia aos juízes que fossem executados.

Membro da “massa analfabeta” que, junto com outros, adora ficar de quatro para Deltan e “coleguinhas” (hummmmm!), “Valle das bonecas”, por exemplo, chegou a bradar que Ministério Público nem precisava mesmo, como não fez, apresentar provas contra os acusados. Bastava que brandisse nas instâncias devidas a existência de “departamento de propina” em empreiteira e... ir para a praia. A bugrada, classe inferior, trataria de fazer o trabalho sujo e cortar a cabeça da turma da “gravata com a cor errada” enquanto a “elite” se bronzearia. Eis nu e cru o nível boçal do analfabeto pertencente ao “Valle”.

Mas Coutinho destacou – atenção, plebe rude! -, que “O CAMINHO”, como diz Bartels, “NÃO É ENTREGAR A DEMOCRACIA ÀS MASSAS”

Pois é

Afinal, já enfraquecida pelo drible na lei dado pela “elite” composta, entre outros, por um Deltan e “coleguinhas” a tentar “impor um determinado fim” à associação civil, imagine a democracia entregue a tipos como “Valle das bonecas” ou uma mentalmente incapaz com dificuldade em ouvir que ainda que afirme o vexame de gostar de ser vassala dos “ishpertos” de Curitiba (hummmmmm!), brada a piada que não se dobraria a Diogo Mainardi? (como se pudesse tal uma vez que, como o outro do “Valle”, vive de quatro; pois é)

Exatamente para manter no lugar devido, ou seja, a sarjeta, tipos da “massa analfabeta” como, entre outros, “Valle das bonecas” e a pobre coitada que também vive a rastejar, é que Bartels advoga, como sublinhou Coutinho, a necessidade de se tentar melhorar as elites para que não sejam cometidos os mesmos erros que foram perpetrados nas últimas décadas na Europa. Por exemplo, o entrevistado destacou, instruí-las a adquirir “um conjunto de virtudes que incluam o ceticismo, a prudência (coisa a que bugrada é alérgica, já que ama, admitidamente, “guilhotina” e ausência de provas), humildade etc condizentes com o reforço da democracia”.

E justamente porque tal não tem acontecido, como a “elite” composta por Deltan e “coleguinhas” atesta cabalmente, os movimentos populistas andam assanhados. A “massa analfabeta” histérica no NEIM não nos deixa mentir. Pois é

Coutinho disse ainda que a “incapacidade das elites em preservar um conjunto de virtudes” que deveria distingui-las de um “Valle das bonecas” da vida ou de uma incapaz que se orgulha em rastejar, tem resultado nas condições para que ocorra o fenômeno da ascensão do extremismo. Destacou que “histeria, paternalismo (‘pai guia’) e imposição de um determinado fim (‘enterprise association’)” – tudo aquilo em que Deltan e “coleguinhas”, comprovada e criminosamente, investiram – tem redundado no desprezo e enfraquecimento dos valores democráticos.

Vide boçais como um “Valle das bonecas”, a caipira do interior etc a reclamarem que a lei não tenha sido mesmo jogada na lata do lixo, como a “elite” de Curitiba tentou fazer, para que os desafetos da “massa analfabeta” que usavam a “cor da gravata” errada tivessem sido “guilhotinados em fila indiana”, como o ignorante do Valle chegou a advogar. Pois é

E a esse fato Coutinho atribuiu a vitória de Trump, Bolsonaro, o Brexit etc.

Enquanto isso, a analfabeta que se orgulha em rastejar brada que “Bozo e Molusco são sintomas”. Como disse Coutinho, resultado do fato da elite, leia-se: Deltan e “coleguinhas”, terem investido em “histeria, paternalismo e imposição de um determinado fim” (tudo aquilo que Bartels condena). E a caipira ainda aplaude a “elite” de Curitiba. Orgulhosamente.

Sim, o orgulho da própria ignorância

Waaaaaaaaaaaaaaaaallllllllllllllllllllllll!

E comete a piada: “minha gana pela individualidade do ser humano é incessante”.

Jura? Resta saber então como festeja a “elite” de Curitiba que tentou impor um “determinado fim” exatamente sobre toda a “massa analfabeta” e buscou se instalar como o “pai guia” da bugrada ignorante.

Como se vê, como todos os “Valle da boneca” da vida, a caipira vive igualmente de quatro.

Pois é

Expand full comment

Nicolás Gómez Dávila:

"A prudência com que caminha o que viaja entre abismos parece pusilânime ao que circula pelas ruas".

XXXXXX

Pois é

Expand full comment

Em O Antagonista em 24/05/24:

Delação premiada: STJ autoriza acesso de acordo a denunciados

​A 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que uma pessoa delatada em acordo de colaboração premiada tem o direito de acessar a gravação das negociações e da audiência em que houve a homologação desse instrumento jurídico pelo magistrado.

Assim, a pessoa que foi denunciada por uma terceira pessoa pode verificar a legalidade e a regularidade do acordo de colaboração, bem como a voluntariedade do colaborador ao assiná-lo.

A decisão do STJ foi contrária a recurso impetrado pelo Ministério Público Federal (MPF), que pedia o acesso de um delatado a tais gravações. O nome do autor da ação foi mantido sob sigilo.

Para o MPF, o terceiro delatado não teria legitimidade para questionar a validade do acordo de colaboração premiada. O órgão argumentou ainda que o artigo 4º, parágrafo 7º, da Lei 12.850/2013 estabelece que a audiência judicial de homologação do acordo é sigilosa. Por fim, argumentou que a divulgação das tratativas poderia colocar em risco investigações ainda em andamento.

Natureza híbrida da delação premiada

Segundo o relator do recurso no STJ, ministro Rogerio Schietti Cruz, o artigo 3º-A da Lei 12.850/2013 estabelece que o acordo de colaboração premiada tem natureza híbrida, sendo ao mesmo tempo um negócio jurídico processual e um meio de obtenção de prova.

Apesar dessa natureza jurídica mista, o ministro explicou que o primeiro aspecto prevalecia na jurisprudência quando se discutia a legitimidade do terceiro delatado para impugnar a validade do acordo: uma vez que se tratava de negócio jurídico personalíssimo, cabia ao terceiro apenas confrontar o conteúdo da palavra e das provas apresentadas pelo delator, mas não a validade formal do acordo celebrado.

O relator explicou que esse cenário começou a mudar em recentes julgados da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), que passou a entender que, como meio de obtenção de prova, o acordo pode impactar gravemente a esfera jurídica do terceiro delatado, razão pela qual é necessária a observância da legalidade, cujo desrespeito pode ser questionado por quem foi prejudicado.

Expand full comment

Em O Antagonista em 23/05/24:

Xandão inventou risco de fuga por tabela?

O ministro Alexandre de Moraes, do STF, decretou a prisão preventiva de Luís Carlos de Carvalho Fonseca, réu do 8 de janeiro, em função da fuga para o exterior de condenados por envolvimento na invasão às sedes dos Três Poderes.

Na decisão, obtida por O Antagonista, Moraes citou o “fundado receio de fuga do réu” para autorizar substituição das medidas cautelares impostas pela prisão preventiva para “garantia efetiva da aplicação da lei penal”.

Felipe Moura Brasil e Carlos Graieb comentam em

https://youtu.be/xQWo9cezo4M?si=PJy9pUaJZAwusvBK

Expand full comment

Como se vê, o Bananal não é subdesenvolvido por culpa "duzamericanu", como tenta a esquerdalha picareta. Mas pelo fato, como destacado por Michael Oakeshott e Larry Bartles, das suas "elites" "imporem seus fins" e, como comentou João Pereira Coutinho, enfraquecerem, assim, a democracia. Ou seja, serem METIDAS A VALENTE, não se pautarem, entre outras coisas, pela prudência e humildade, e por agirem de maneira temerária e pilantra.

A prova? O indiscutível membro da "elite" Deltan Dallagnol esperneia agora que "Moraes está decretando a prisão preventiva de um réu porque OUTRAS pessoas fugiram". E critica o suposto silêncio dos "garantistas". (e está mesmo; não deveria ser integrante do STF do mesmo modo que o Baby Face nunca deveria ter sido membro do Ministério Público (MP))

Ocorre que quando era o coordenador da Lava Jato, o histérico ex-deputado federal (como resultado de ilegalidades) era mestre em decretar a prisão preventiva de investigados que se estendiam indefinidamente DANDO UM TRUQUE NA LEI.

Afinal, como esta estabelece, prisões preventivas são o último recurso em qualquer investigação, só devendo ser acionado depois de esgotados todos os outros (coisa que o MP nunca observou ao buscar fazer justiça atropelando as leis) e não podendo ser estendida infinitamente (como o MP também sempre fez)

Pois é

E ainda que sem moral para criticar Alexandre de Moraes, Deltan corre até as redes sociais para promover "histeria midiática" tentando posar de sério e rigoroso para a "massa analfabeta" que vive de quatro para o engana trouxa

Pois é

Expand full comment

Deltan Dallagnol, Breno Altman é você? É.

Pois é

Waaaaaallllllllll!

https://substack.com/profile/190187571-carlos-matta/note/c-57283288?r=358do3

Expand full comment

Em O Antagonista em 23/05/24:

Moraes decreta prisão preventiva de réu do 8/1 porque outros fugiram

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decretou a prisão preventiva de Luís Carlos de Carvalho Fonseca, réu dos atos de 8 de janeiro de 2023, em função da fuga para o exterior de condenados na invasão e depredação das sedes dos Três Poderes, em Brasília.

Na decisão, a qual O Antagonista teve acesso, o magistrado mencionou o “fundado receio de fuga do réu” para autorizar substituição das medidas cautelares impostas pela prisão preventiva para “garantia efetiva da aplicação da lei penal”.

“O término do julgamento do mérito da presente ação penal e o fundado receio de fuga do réu, como vem ocorrendo reiteradamente em situações análogas nas condenações referentes ao dia 8/1/2023 (AP 1.123, АР 1.377, АР 1.083, АР 1.405, АР 1.185, АР 1.069, АР 1.128, АР 1.186, АР 1.170, АР 1.140, АР 1.143, АР 1.121, АР 1.109, АР 1.074, АР 1.505, АР 1.422, AP 1.091), autorizam a substituição das medidas cautelares diversas da prisão impostas em 20/1/2023 pela prisão preventiva para garantia efetiva da aplicação da lei penal e da decisão condenatória desse SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL”, afirmou Moraes.

Luís Carlos de Carvalho Fonseca foi condenado à pena de 17 anos, sendo 15 anos e seis meses de reclusão e um ano e seis meses de detenção, além do pagamento de 30 milhões de reais, a ser dividido com os demais condenados, por abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado, deterioração do patrimônio tombado e associação criminosa armada.

Decisão de Moraes é “indefensável”

O ex-deputado Deltan Dallganol afirmou que a decisão de Moraes é “indefensável” e questionou onde estão os garantistas.

“Isso aqui é inacreditável em uma longa série de decisões inacreditáveis A Constituição prevê que nenhuma pena passará da pessoa do condenado, mas agora o ministro Moraes está decretando prisão preventiva porque OUTRAS pessoas fugiram É indefensável! Onde estão os garantistas???”, escreveu o ex-procurador no X, antigo Twitter.

A fuga

Pelo menos dez indivíduos condenados ou investigados por envolvimento nos atos de 8 de janeiro de 2023 conseguiram fugir do Brasil após quebrarem as tornozeleiras eletrônicas que usavam por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF).

Conforme publicou o Uol, os fugitivos se dirigiram para a Argentina ou Uruguai. Em alguns casos, há pedidos de prisão em aberto contra eles.

Interpol

Após a fuga, o procurador-geral da República, Paulo Gonet, pediu na quarta-feira, 15, a inclusão de 51 acusados de participação nos atos de 8 de janeiro de 2023 na lista vermelha da Interpol.

XXXXXX

👇

Expand full comment

Augusto de Franco no Twitter em 25/05/24:

🌞

O QUE É DEMOCRACIA LIBERAL

1 – Proteção dos direitos individuais e das minorias contra a tirania do Estado e a tirania da maioria (recusa ao majoritarismo e ao hegemonismo).

2 – A sociedade controla o governo (e nunca o contrário).

3 – Visão “negativa” do poder político: a qualidade da democracia é medida pelos limites e condicionamentos impostos às instituições do Estado.

4 – Liberdades civis constitucionalmente protegidas, forte domínio da lei, judiciário independente, freios e contrapesos efetivos.

5 – Cultura política que valoriza a pluralidade política (reconhecimento das oposições democráticas como players legítimos e fundamentais para o bom funcionamento do regime).

6 – Desencorajamento da polarização introduzida pelos populismos (recusa do “nós contra eles”).

7 – Abertura para a interação com a sociedade.

XXXXXX

Como se vê, Deltan, "coleguinhas" e a "massa analfabeta" que vive de quatro para a turma nunca foram democratas liberais

Expand full comment

Excelente bate-papo Martim. Nada como ouvir gente que pensa! Faz muito bem pra alma, pra cabeça etc.

Expand full comment

D+!👏

Expand full comment